FANDOM


O abajeheŋa (pronúncia segundo o AFI: [ãβãɲɛ̃ʔɛ̃ŋã], em português abanheenga) é uma língua artística amadora, criada por Antonio Luiz Monteiro Coelho da Costa para o universo ficcional Outros 500.

Brasil 1780linguas.gif

Mapa lingüístico do Brasil no universo Outros 500.
O amarelo representa as áreas onde o abajeheŋa é dominante como a língua materna.
O verde assinala as áreas onde predominam outras línguas indígenas.
O marrom e o cinza, áreas onde o lusobrasileiro é a língua materna majoritária

História (ficcional) Editar

Nesta história alternativa, Portugal se tornou uma grande potência no século XVI, mas foi invadido ao tentar monopolizar a colonização e o comércio com outros continentes e desafiar o papado. O país tinha uma marinha excelente, mas seu exército não teve condições de enfrentar a coalizão européia. Conseqüentemente, o rei e sua corte fogem para o Brasil – não em 1807, mas em 1590.

Protegida pela maior e mais moderna esquadra do mundo em sua época, a corte portuguesa, junto com grandes mercadores e seus protegidos, refugiou-se na jovem capital da florescente colônia do Brasil. Em Salvador da Bahia a dinastia de Avis celebrou com os refugiados um novo pacto, proclamando o novo Império de Portugal, Brasil e Algarves e, pela primeira vez no Ocidente, a total liberdade de culto.

Indiatupi.jpg

As colheitas dos potyrõ (cooperativas agrícolas indígenas), abasteceram os celeiros do Império Lusobrasileiro e do mundo

Parcela expressiva da Igreja luso-brasileira, liderada por jesuítas dissidentes, rompeu com Roma e colaborou com o Imperador. Em aliança com judeus sefaraditas, cátaros e mouros portugueses que haviam acompanhado D. Sebastião I a Salvador, fundaram a Igreja Ecumênica, também conhecida como Sebastianista.

Carente de homens e necessitando garantir as costas americanas contra piratas e eventuais invasores, C. Sebastião I assinou duradouras alianças com o imperador inca Túpac Amaru e o asteca Cuautémoc. O chanceler português Fernão Moro – fascinado pelas idéias de seu avô Tomás Moro – concebeu um plano grandioso para incorporar tupis e guaranis à causa portuguesa, sob o lema "morrer se preciso for, matar um indígena nunca!".

Ex-jesuítas, em colaboração com sertanistas como Brás Cubas e João Ramalho, partiram de Piratininga e do Maranhão para fundar missões ao longo das bacias do Paraná, Paraguai e Amazonas, onde oferecem aos índios os benefícios da civilização lusa, mas os alfabetizaram em sua própria língua e os educaram no trabalho regular, na cooperação e no desprezo pelo luxo.

Debret guaranis.jpg

Na indústria, no exército e nas ciências, os tupis se tornaram a espinha dorsal do poder lusobrasileiro

Originou-se no Brasil uma avançada civilização luso-indígena que, já no século XVII, sem abandonar suas raízes portuguesas e tupi-guaranis, desencadeou uma revolução industrial e tornou-se a potência dominante do planeta.

Nesse Brasil luso-indígena, todos são alfabetizados e educados tanto em português quanto em tupi, mas ambas as línguas evoluíram de maneira diferente do que se deu em nosso mundo. As versões alternativas dessas línguas são conhecidas como lusobrasileiro e abajeheŋa (“língua de índio”).

Na história real, o tupinambá ou tupi antigo transformou-se no nheengatu ou língua geral, que manteve a maior parte do vocabulário tupi original, mas simplificou radicalmente sua gramática, tornando-a muito mais semelhante à do português.

Já história alternativa, porém, o tupinambá tranformou-se em abajeheŋa mantendo sua sintaxe original enquanto enriquecia seu léxico com empréstimos do português e de outras línguas indígenas e com inúmeros neologismos.

Fonética e escrita Editar

Existem 26 fonemas - 11 consoantes, três semivogais e doze vogais (seis orais e seis nasais) - que são representadas com um alfabeto latino ligeiramente modificado de vinte letras, ao qual se acrescentam dois sinais diacríticos, o acento oral (´) e o acento nasal ou til (~).


ABEGHIJKMNŊOPRSTUWX
abeghijkmnŋoprstuwx

As letras C, D, F, L, Q, V e Z são usadas apenas para transcrever palavras de outras línguas (principalmente o português). Em razão da ausência dessas letras, costuma-se dizer que os falantes de abajeheŋa "não têm Deus, nem Fé, nem Lei."


Palavras orais e nasais Editar

As palavras do abajeheŋa podem ser orais ou nasais. Nas palavras orais, todas as vogais são orais. Nas palavras nasais, todas as vogais são pronunciadas como nasais. Além disso, algumas consoantes são pronunciadas de maneira diferente conforme a palavra é oral ou nasal.

Na formação de palavras compostas, o caráter nasal impõe-se sobre o oral e pode resultar em modificação dos prefixos e sufixos ou da primeira consoante do segundo termo, originalmente oral, do composto.

Quando uma consoante surda (k, t, p, s) de uma palavra oral vem depois de um fonema nasal numa composição ou afixação, ela se nasaliza, junto com toda a palavra. K torna-se ŋ, t torna-se n, p torna-se m e s torna-se n.

Por exemplo: kunumĩ + katu > kunumiŋatũ (menino bom); + pe = jũme (no campo); mẽna + sy > menỹ (mãe de marido, sogra).

Já nestes casos a consoante surda da segunda palavra não se nasaliza, pois esta palavra já é nasal:

  • kunumĩ + porãŋa > kunumiporãŋa (menino bonito)
  • kujã + kanehõ > kujakanehõ (mulher cansada).

Também não se nasalizam as consoantes iniciais das ênclises:

  • kunumĩ + pe (ênclise interrogativa)> kunumĩpe, como em kunumĩpe osó? (O menino foi?)

Acentuação Editar

O acento tônico sempre cai sobre a última sílaba se a palavra termina em consoante, semivogal, i, y ou u e, na maioria das vezes, cai na penúltima sílaba se a palavra termina em a, e ou o.

As palavras orais recebem acento apenas quando a última sílaba é tônica e termina em a, e ou o, exceto quando estas vogais são precedidas de h. Por exemplo, soho (animal) lê-se sohó; potiha (peito), potihá.

As palavras nasais sempre recebem acento nasal (til) na sílaba tônica, exceto se a palavra incluir a consoante ŋ (toda palavra com ŋ é nasal): escreve-se jarõ (raiva) e jãna (corrida), mas poraŋ (bonito) e mojaŋ (fazer).

Os sufixos átonos -a, -i, -u, -pe, -me, -te, -ne, -mo, -no, -(r)amo, -(r)eme; as posposições átonas -i, -bo, -(r)eme, -(r)amo e a vogal de ligação -y- deixam a palavra principal manter seu acento. Morubixabape (morubixaba-pe) pronuncia-se morubixábape; pytunybo (pytun-y-bo), pytúnybo; okeryne (o-ker-y-ne), okéryne etc.

Consoantes Editar

  1. p - [p], às vezes [mp] em palavras nasais.
  2. t - [t], às vezes [nt] em palavras nasais.
  3. k - [k], às vezes [ŋk] em palavras nasais, representado nas escritas tradicionais tupinambá, nheengatu e guarani do mundo real como c antes de a, o ou u e como qu antes de e, i ou y, mas pelos lingüistas modernos como k.
  4. h - [ʔ], desaparece na escrita tradicional do tupinambá, mas representado como ' por lingüistas modernos. Não existe em guarani ou nheengatu.
  5. b - [β], representado nas escritas do tupinambá e nheengatu por b e na do guarani por v.
  6. s - [s], representado nas escritas tradicionais do tupinambá e nheengatu como c antes de e, i ou y e como ç antes de a, o ou u, mas pelos lingüistas modernos como s. Entre vogais, é pronunciado pelos guaranis como [h] e escrito com h; em outras posições, é pronunciado como [s] e escrito com [s].
  7. x - [ʃ], representado na escrita guarani do mundo real por ch, mas na tupinambá e nheengatu por x.
  8. m - sempre [mb] nas sílabas tônicas das palavras orais, [m] ou [mb] nas sílabas pré-tônicas de palavras orais, sempre [m] nas sílabas de palavras nasais, representado como m ou mb nas escritas tradicionais.
  9. n - sempre [nd] nas sílabas tônicas das palavras orais, [n] ou [nd] nas sílabas pré-tônicas de palavras orais, sempre [n] nas sílabas de palavras nasais; representado como n ou nd nas escritas tradicionais.
  10. ŋ -[ŋ], representado nas escritas tradicionais como ng.
  11. r -[ɾ] vibrante simples, mesmo em início de palavra.

Sotaque Warinĩ Editar

No universo Outros 500, o Warinĩ (guarani) ou Karijó é considerado um dialeto do Abajeheŋa, falado de Piratiniŋa (São Paulo) para o sul.

Os falantes de Warinĩ escrevem o Abajeheŋa padrão, mas o pronunciam à sua maneira. Essa pronúncia identifica facilmente os nativos do sul, mas não é considerada menos prestigiosa que a clássica, baseada na pronúncia dos tupinamá (tupinambás) da região litorânea de Karawatatyba (Caraguatatuba) a Jekay (Cabo Frio).

Pelo contrário, o Warinĩ tendeu a ganhar prestígio a partir do século XVII, pois os warinĩ de Piratiniŋa e Pararawaj (Assunção) ganharam uma projeção política e econômica crescente no Império.

A pronúncia tupinamá continua, porém, a ser cultivada no Norte, principalmente na cidade e região de Paranã (São Luís do Maranhão), onde supostamente se fala o melhor Abajeheŋa do Brasil, visto que os tupinamá do Sudeste foram parcialmente assimilados e sua linguagem "contaminada" por palavras, sotaque e construções gramaticais do português, principalmente em torno da cidade do Rio de Janeiro

Na pronúncia warinĩ , mantém-se a oralidade ou nasalidade da palavra, mas as consoantes finais não são pronunciadas, mesmo quando seguidas de vogal átona: apab se diz "apá"; ajur, "aju"; asem, "asẽ"; apen, apẽ; tetama, "tetã" etc.

Além disso, em warinĩ o b é pronunciado como [ʋ]: abá (pessoa), soa mais como "avá". O s intervocálico se pronuncia como [h] (aspirado, não o h tupinamá que se pronuncia como [ʔ]): kwarasy (sol) se diz "kwarahy".

Já o h ortográfico, pronunciado pelos tupinamá como [ʔ], torna-se mudo na pronúncia warinĩ: jeheŋa (língua, fala) se diz "jeẽ" (na grafia portuguesa, nheém).

Semivogais Editar

  1. j - [ʝ] no início ou entre vogais de palavras orais; [ɲ] no início ou entre vogais de palavras nasais e em sílabas que precedem consoantes nasais (m, n ou ŋ); [j] em outras posições; representado, respectivamente, como î (ou j), nh (ñ no guarani moderno) e i nas escritas tradicionais, mas geralmente como î por estudiosos modernos do tupinambá (às vezes nh quando nasal).
  2. w - [ɡw] no início ou entre vogais; [w] em outras posições; representado, respectivamente, como û (ou gu) e u, nas escritas tradicionais e geralmente como û por estudiosos modernos do tupinambá.
  3. g - [ɨɣ] no início ou entre vogais; [ɰ] em outras posições; representado, respectivamente, como yg e y, nas escritas tradicionais e sempre como ŷ por estudiosos modernos do tupinambá.

Vogais Editar

  1. a, ã - [a] nas palavras orais, [ã] nas nasais
  2. e, ẽ - [ɛ] nas palavras orais, [ɛ̃] nas nasais
  3. i, ĩ - [i] nas palavras orais, [ĩ] nas nasais
  4. o, õ - [ɔ] nas palavras orais, [ɔ̃] nas nasais
  5. u, ũ - [u] nas palavras orais, [ũ] nas nasais
  6. y, ỹ - [ɨ] nas palavras orais, [ɨ̃] nas nasais

Morfologia Editar

Substantivos Editar

Os substantivos podem ser possuíveis ou não possuíveis, estes também chamados puros.

Os possuíveis admitem ou até exigem pronomes possessivos ou genitivos (nome do possuidor), enquanto os não possuíveis ou puros não admitem possessivos ou genitivos, salvo em casos especiais.

Exemplo:

1) Possuíveis com possessivo obrigatório:

  • xe po (minha mão) ou Pinobusu po (mão de Pindobuçu), é possuível: u'a mão tem de ser de alguém, assim como outras partes do corpo, das plantas, da paisagem etc.
  • ne sy (minha mãe) ou Pinobusu sy (mãe de Pindobuçu), é possuível: quem é mãe tem de ser mãe de alguém, assim como outros membros da família.

2) Possuíveis com possessivo não obrigatório:

  • xe aoba (minha roupa) ou aoba (roupa): pode-se omitir o possessivo supondo uma relação genérica com o ser humano (subentende-se "roupa de gente"), assim como ocorre com outros produtos da cultura, tais como taba (aldeia), uhuba (flecha) etc.
  • potyra (flor): normalmente flor de alguma planta, mas pode existir em separado.

3) Não possuíveis que não admitem possessivo

  • ybyrá (árvore), assim como a maioria dos elementos da natureza, é não possuível. Não se pode dizer xe ybyrá (minha árvore) ou Pinobusu ybyrá (árvore de Pindobuçu).

4) Não possuíveis que podem admitir possessivo

  • itá (pedra): normalmente não possuível, mas pode se tornar possuível se passa a fazer parte da vida quotidiana ou é apropriado pelo trabalho e pela cultura: por exemplo, é possível dizer xe itá (minha pedra), se ela for usada para fazer um machado (possuível).

Os substantivos possuíveis podem ser usados como adjetivos e, às vezes, também como verbos e todo adjetivo ou verbo pode ser tornar-se um substantivo possuível.

Já os substantivos não possuíveis são sempre substantivos, sendo por isso também chamados "puros".

Uniformes e pluriformes Editar

A maioria dos substantivos, adjetivos, verbos e posposições tupis têm uma só forma. Essas palavras se chamam uniformes. Por exemplo: aoba (roupa), pindá (anzol), itá (pedra).

Existem, porém, palavras que apresentam várias formas, recebendo diferentes prefixos de relação (t-, r-, s-): são os pluriformes. Exemplo:

era, tera, rera, sera (nome)

Tema Editar

A forma sem prefixo, era, é chamada tema. Vocabulários e dicionários costumam indicar um pluriforme com o tema, seguido por um (t-), (t-, t-), (r-, s-), ou (s-, r-, s), que indicam que tipo de pluriforme ele é.

Essa forma se usa com o possessivo reflexivo o:

Pinobusu o eté ojkutuk.
Pindobuçu cutuca o próprio corpo.

Potyra o emimotara ojmojaŋ.
Potyra faz sua própria vontade.

Também se usa o tema na relação genitiva com composição, junto com os sufixos da palavra anterior, quando esta tem sentido genérico ou indefinido. Exemplos: tatuapé (caminho de tatus), jawarahyra (filhote de onça).

Mas, se a palavra anterior tiver sentido determinado, usa-se a forma relacionada (ver abaixo): tatu rapé (caminho do tatu), jawara rahyra (o filhote da onça).

Formas relacionadas Editar

Caso se queira relacionar a palavra com um posessivo e dizer "meu nome", se dirá xe rera. "Nome do menino" é kunumĩ rera. As formas em r- e s- se chamam formas relacionadas ou formas construtas.

A forma em r- se usa quando precedida de possessivo de 1ª ou 2ª pessoa ou de substantivo com o qual esteja em relação genitiva ou do qual dependa gramaticalmente. Exemplos: xe remimotara, (minha vontade); ne reté, (teu corpo); paka ruwy (sangue da paca); aba reté (corpo de índio).

A forma em s- se usa quando se refere à terceira pessoa, sem substantivo: sera i poraŋ (o nome dele é bonito); seté (o corpo dele), suwy (o sangue dele).

As mesmas formas são usadas nos verbos pluriformes: esabik (r-, s-) (piscar) dá xe resabik (eu pisco), sesabik (ele pisca). Epjak (s) (ver) dá asepjak (vejo-(o)), osendub (ouve-(o)).

Forma absoluta Editar

A forma em t- (como tera) é chamada forma absoluta e usada quando a palavra é independente, como sujeito ou como objeto, sem exigir outra para lhe complementar o sentido. Exemplos: tera (nome), temimotara (vontade), teté (corpo), tewy (sangue).

Teraporaŋa!
Nome bonito!

Tera najkuabi.
Não sei os nomes.

Caso se pergunte como se diz "nome" em abajeheŋa, a resposta será tera. Não se poderia dizer simplesmente era.

Pronomes pessoais Editar

Na função de sujeito, os pronomes pessoais dividem-se em duas séries

Português 1ªsérie 2ª série
eu ixé xe
tu ené ne
nós exclusivo (eu(nós) e ele(s)) oré oré
nós inclusivo (eu(nós) e tu(vós)) jané jané
vós pehẽ pe
ele, ela, eles, elas ahe i
a gente, todos (nós, vós e eles) asé asé

Pronomes demonstrativos Editar

Os pronomes demonstrativos distinguem-se não só pela proximidade, como também pela visibilidade em relação à pessoa que fala. Se algo está fora da vista, usam-se os demonstrativos da segunda coluna

Pronomes demonstrativos adjetivos

Português visível para quem fala invisível para quem fala
este kó, ikó haŋ, ihaŋ
esse ebokwej, ebowiŋ, wiŋ ajpó, ahe, akó, akwej
aquele kwej, kwe, wiŋ ajpó, ahe, akó, akwej

Quando forem substantivos, esses pronomes vêm com o -a final (akweja, ebokweja, ebowiŋa, haŋa, ihaŋa), ou com o sufixo -bahe (kobahe, kwejbahe, ajpobahe, ebowĩbahe etc.) Os que terminam em vogal podem aparecer sem sufixos quando forem substantivos.

Verbos Editar

O verbo vem sempre expresso por um ou mais elementos pronominais. Os sujeitos dos verbos intransitivos ativos são expressos da mesma forma que os sujeitos dos verbos transitivos. Os sujeitos dos verbos intrasitivos não-ativos recebem a mesma expressão que os objetos dos verbos transitivos.

Afixos pessoais:

Português ativos não-ativos
eu a xe
tu ere ne
nós exclusivo (eu(nós) e ele(s)) oró oré
nós inclusivo (eu(nós) e tu(vós)) ja jané
vós pe pe

Exemplos:

Por exemplo:

  • ajpysyk
  • eu o segurei.
  • xepysyk
  • ele me segurou.
  • abebé
  • eu vôo.

Nominalização Editar

Qualquer verbo pode se tornar substantivo. Nesse caso, verbos terminados em vogal não sofrem qualquer modificação, mas verbos terminados em consoante recebem o acréscimo do sufixo -a.

  • jeheŋ (falar) > jeheŋa (fala)
  • poraŋ (ser bonito) > poraŋa (bonito, bonita, ou boniteza)
  • sem (sair) > sema (o sair, a saída)
  • sykyjé (temer) > sykyjé (o temer, o medo)

Acrescentando-se o sufixo -bahe a um verbo na 3ª pessoa do indicativo, obtém-se o equivalente a um particípio ativo ou nome relativo. Acrescentando-se o mesmo sufixo a um tema nominal, obtém-se um substantivo também com valor de nome relativo.

  • ojeheŋ - fala
  • ojeheŋybahe - o que fala, o falante
  • i mahenduar - lembra-se
  • i mahenduarybahe - o que se lembra
  • i aob - ele tem roupa
  • i aobybahe - o que tem roupa
  • i poraŋ - ele é belo
  • i poraŋybahe - o que é belo
  • ojmojaŋ pindá - faz anzóis
  • pindá ojmojaŋybahe - o que faz anzóis

Parentesco Editar

Os termos de parentesco seguem uma estrutura bem diferente do português, pois o abajeheŋa leva em consideração:

  • o sexo da pessoa
  • o sexo do parente
  • se o parente é paterno ou materno
  • se o parente é mais velho ou mais novo


Português Parente de homem: Parente de mulher:
pai uba (t-, t-) uba (t-, t-)
mãe sy sy
avô amyĩa (t-, t-) amyĩa (t-, t-)
avó aryja aryja
tio paterno uba (t-, t-) uba (t-, t-)
tio materno tutyra tutyra
tia paterna ajxé ajxé
tia materna syhyra syhyra
irmão mais velho ykehyra (t-, t-) kybyra
irmão mais novo ybira (t-, t-) kybyra
irmã mais velha enyra (t-) (t)ykera
irmã mais nova enyra (t-) pikyhyra
filho ahyra (t-, t-) memyra
filha ajyra (t-, t-) memyra
sogro atuhuba (t) menuba
sogra ajxó (t) meny
cônjuge emirekó (t) mena

Partículas masculinas e femininas Editar

Existem algumas partículas e interjeições que são usadas só por homens e outras só por mulheres. Exemplos:

Português Homens dizem: Mulheres dizem:
sim (resposta a uma pergunta sim/não) ehẽ
ó (vocativo) wé! ju!, jó!

Exemplo:
Xe ruby wé!
Ó meu pai! (dito por homem)

Xe ruby ju!
Ó meu pai! (dito por mulher)

Sintaxe Editar

Nas orações independentes, o sujeito pode ocorrer antes ou depois do predicado e o objeto pode aparecer antes ou depois do verbo. Ou seja, as ordens SVO, SOV, OSV e VOS são todas possíveis.

A ordem mais comum, porém, é SOV (Sujeito - Objeto -Verbo), que é obrigatória nas orações dependentes.

O prefixo de agente (correspondente à "pessoa" da conjugação em português) vem sempre antes do verbo.

Vocabulário Editar

O vocabulário básico do abajeheŋa é o do tupinambá, (consulte o dicionário português-abajeheŋa) enriquecido por empréstimos do português e de outras línguas indígenas, incluindo o guarani, o quéchua, o aimará, o caribe, várias linguas jê e o náhuatl. Além disso, algumas palavras antigas ganharam novos sentidos e inúmeros neologismos foram criados para dar conta dos avanços tecnológicos e culturais criados ou absorvidos pelos tupi-guaranis desse universo paralelo.

Exemplos:


  • enykwatjara - fotografia
  • gabebé - aeronave, avião
  • gamima - submarino
  • gabebeapé - rota de vôo
  • itaeteapé - ferrovia
  • itakawĩ - gasolina
  • itajany - petróleo
  • itatuwy - óleo diesel
  • itapesemirĩ - microchip
  • jehenyba - dicionário
  • jehemaé - rádio
  • kamurusu - telégrafo
  • kawĩtatá - álcool
  • moã - caminhão
  • moãmirĩ - automóvel
  • mojtatá - trem, comboio ferroviário
  • poranuapé - internet
  • puahamaé - gramofone, vitrola
  • samiri - tevê

Ver também Editar

Referências Editar

Navarro, Eduardo de Almeia. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. Petrópolis (RJ): Vozes, 1998.

Gomes, Nataniel dos Santos. "Algumas observações sobre a língua tupinambá".[1]

Gomes, Nataniel dos Santos. "Síntese da gramática tupinambá". [2]

Dietrich, Wolf. "La importancia de los diccionarios guaraníes de Montoya para el estudio comparativo de las lenguas tupí-guaraníes de hoy" [3]

Veja também Editar

Ligações externas Editar

Outros 500 [4]

Ñe'êndy: Diccionario Guaraní Interactivo [5]

Nheengatu Tupi [6]

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória