FANDOM


O Mugal é uma língua artística amadora, criada por Antonio Luiz Monteiro Coelho da Costa como idioma de um povo do mundo de Kishar. A maior parte desse povo foi escravizado pelo Império de Agarta (ver Agartiano) e talvez constituam a maior parte da população de seus domínios, mas há pelo menos um reduto mugal independente e certo número de mugais refugiados entre o povo de língua senzar, ou vendidos a eles como escravos.

Fonologia e escrita Editar

O mugal é escrito com um sistema basicamente logográfico, que usa cerca de 20.000 caracteres para representar os morfemas básicos da língua, mas pode ser transliterado por meio de um alfabeto latino.

A fonética do mugal é rica e permite a formação de um vasto conjunto de palavras monossilábicas. A estrutura da sílaba é:

Ci(Y)V(Cf)(T)

Na qual Ci representa uma das 50 consoantes iniciais possíveis, Y uma semivogal (J ou V), V uma de oito vogais, Cf uma das 15 semivogais e consoantes finais possíveis e T uma das três entonações possíveis de cada sílaba. São teoricamente possíveis 46.440 sílabas, nem todas existentes de fato na língua.

Há poucos verdadeiros homófonos, mas várias palavras podem ser representadas por vários caracteres alternativos para denotar matizes de sentido ou diferentes aplicações - por exemplo, "cão" como animal, "Cão" como nome de uma constelação, "cão" como insulto, "cão" como elogio (conotando fidelidade) e "Cão" como nome de um clã são representados por cinco ideogramas diferentes, embora sejam etimológica e foneticamente (inclusive quanto à tonalidade) a mesma palavra.

ConsoantesEditar

O mugal possui 50 consoantes, todas possíveis na posição inicial:

Bilabial Labio-
dental
Alveolar Pós-
alveolar
Palatal Velar Labial-
velar
Glotal
Oclusiva p b   t d   c q k g kv gv ' **  
Oclusiva aspirada ph bh   th dh   ch qh kh gh kvh gvh  
Nasal m mh n nh gn ng    
Fricativa fh vh f v/u/w* s z sh zh xh   x   wh   h  
Africada     tz dz ts ds        
Africada aspirada     tzh dzh tsh dsh        
Vibrante     r          
Lateral     l          
Aproximante         j/i/y*   v/u/w*  
  • * O grafema usado depende da tonalidade da sílaba (ver vogais, abaixo).
  • ** A oclusão glotal não é representada na grafia, mas é obrigatória nas palavras iniciadas por vogal.

As aproximantes y, w e suas equivalentes podem seguir à maioria das outras consoantes, exceto que w não pode vir depois das velares ou labiovelares e y não pode vir depois das labiovelares.

Em fim de sílaba, podem existir as consoantes y e w e suas equivalentes, bem como as consoantes m, n, ng, p, b, t, d, c, q, k, g, r e s. As consoantes h e x não ocorrem fonemicamente em fim de sílaba, mas são usadas para representar tonalidade (ver vogais, abaixo).

VogaisEditar

O mugal possui, fonemicamente, oito vogais simples, que poderiam ser identificadas no Alfabeto Fonético Internacional aproximadamente como:


Anterior
não
arredondada
Anterior
arredondada
Posterior
não
arredondada
Posterior
arredondada
Fechada e ʏ ʌ ʊ
Aberta æ œ ɑ ɔ

Além disso, as consoantes m, ng e z podem funcionar como suporte de sílaba, desempenhando o papel de vogais.

A transliteração, porém, leva em conta que essas vogais não correspondem bem às vogais usualmente transcritas com as letras do alfabeto latino e que o mugal é uma língua tonal. As vogais podem ser pronunciadas em três tons: alto, médio e baixo. Em cada tom, a vogal é transcrita de maneira diferente, como mostra a tabela abaixo:


vogal tom
alto
tom
médio
tom
baixo
ɪ e i y
ʏ ue ui uy
ʌ a ah ax
ʊ o u w
ɛ ae ai ay
œ oe oi oy
ɑ aa aah aax
ɔ ao au aw
m m mh mx
ŋ ng ngh ngx
z z zh zx


Algumas dessas vogais podem formar ditongos decrescentes ou crescentes com as semivogais y e w. Nesses casos, a vogal toma a forma normalmente usada no tom alto e a semivogal final indica o tom real: j ou v para o tom alto, i ou u para o médio, y ou w para o baixo. Por exemplo:

  • ae + y > aej (foneticamente /ǽj/)
  • ai + y > aei (foneticamente /æ̅j/)
  • ay + y > aey (foneticamente /æ̀j/)
  • ao + w > aov (foneticamente /ɔ́w/)
  • au + w > aou (foneticamente /ɔ̅w/)
  • aw + w > aow (foneticamente /ɔ̀w/)
  • aa + w > aav (foneticamente /ɑ́w/)
  • aah + w > aau (foneticamente /ɑ̅w/)
  • aax + w > aaw (foneticamente /ɑ̀w/)
  • e + y > ej (foneticamente /éj/)
  • i + y > ei (foneticamente /e̅j/)
  • y + y (decrescente) > ey (foneticamente /èj/)
  • y + e > je (foneticamente /jé/)
  • y + i > ie (foneticamente /je̅/)
  • y + y (crescente) > ye (foneticamente /jè/)

Morfologia Editar

Embora tenha parentesco com o senzar, o mugal é muito mais analítico em sua estrutura. A grande maioria dos nomes e palavras comuns são morfemas isolados, que podem funcionar como substantivos, adjetivos, verbos ou advérbios de acordo com sua posição na frase e o contexto.

Palavras compostas são muito raras, a não ser como nomes próprios: neste caso, o uso de um composto (quase sempre de dois morfemas) é praticamente obrigatório, tanto para pessoas quanto para animais, navios e lugares. Os nomes de clãs, porém, são sempre morfemas simples.

Pronomes Editar

Uma peculiaridade do mugal é a ausência de pronomes pessoais propriamente ditos. Quando não usam nomes próprios ou títulos, as pessoas referem-se a si mesmas e umas às outras por termos descritivos ou de relação. Um homem falando à esposa, por exemplo, diz "o marido" em vez de "eu" e "a esposa" em vez de "você" - se tiver mais de uma esposa e o contexto permitir confusão, ele dirá algo como "a esposa mais jovem", ou "a segunda esposa".

Em uma relação entre iguais, usa-se o equivalente a "o amigo", "o companheiro" etc., ou "amigo do honrado", "o companheiro do respeitado" para referir-se a si mesmo, mas sempre "o honrado amigo", "o respeitado companheiro" (ou, na pior das hipóteses, "o desprezível ouvinte") para referir-se à pessoa com quem se fala.

Existem pronomes demonstrativos, mas são usados quase que só com objetos e animais. Usá-los com pessoas é considerado grosseiro, assim como apontar com o dedo. Dizer "este homem" ou "esta mulher" para referir-se a si mesmo (ou seja, como equivalente a "eu") é uma forma de falar extremamente humilde, quase abjeta, usada por escravos ao falarem com seus senhores e, em certas circunstâncias, por devotos ao falarem com seus deuses.

Verbos Editar

Os verbos em mugal não tem flexões: voz, aspecto, tempo e modo são indicados por verbos auxiliares, quando necessário. Alguns deles são:

  • iao - ser necessário, ser inevitável: usado para indicar o futuro, quando é tido como naturalmente decorrente da situação
  • tseaong - ter intenção, querer: usado para indicar o futuro quando depende da vontade de alguém
  • tshing - ser um favor: usado para expressar pedido
  • ner - ser uma ordem: usado para expressar imperativo
  • ao - ser amável: usado para expressar uma ordem suave
  • phas - outra forma de imperativo
  • dsong - originar-se: usado para expressar de onde vem algo (ablativo)
  • keb - beneficiar: usado para indicar quem se beneficia de certa ação (dativo)

Sintaxe Editar

A ordem sintática normal do mugal é S V O (Sujeito Verbo Objeto).

Os modificadores (adjetivo, advérbio, locução, preposição) vêm antes do termo que modificam.

Espécimes Editar

  • Kvey dyawng, taey laoj sjng keaong dsong tshaoy wen keb mhi tshey tshing?

Tradução literal:

  • Honrado marido, carregar vir fresco gengibre origem hortaliças canteiro bem mimosa esposa favorecer?

Tradução livre:

  • Querido, pode me trazer gengibre fresco da horta?

Veja também Editar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória